Comida japonesa mal preparada pode causar mal à saúde

De acordo com estudo recentemente publicado no jornal BMJ Case Reports, alimentos que com peixes crus podem ser infectados com um parasita, causando dor intensa, vômitos e febre.

É considerado seguro comer certos tipos de peixe cru se eles estiverem bastante frescos. Mas, mesmo nessas condições, o consumo desses alimentos pode estar relacionado a infecções parasitárias.

De acordo com especialistas, há o risco de que sushis e sashimis possam ser contaminados com o parasita anisakis ou ‘verme de arenque’, capaz de aderir às paredes do estômago e do intestino. Ele é adquirido através do consumo de frutos do mar crus ou mal preparados e pode causar infecções graves.

Os sintomas gastrointestinais da infecção incluem dores abdominais, náuseas, vômitos, obstrução intestinal, sangramento no trato digestivo. No entanto, em alguns casos, o parasita provoca uma série de reações alérgicas, incluindo angioedema, urticária e até mesmo reações anafiláticas graves, com arritmia cardíaca e insuficiência respiratória.

Ascom

Outras Notícias

Uso excessivo de bonés e rabos de cavalo causa calvície

No entanto, há formas de evitar o problema. Evitar usar rabos de cavalo muito apertados e bonés são algumas delas.A t...

Saúde alerta para a baixa procura pela vacina contra a gripe

Oito a cada dez pessoas que fazem parte dos grupos prioritários para receber a vacina contra a gripe na campanha dest...

10 por cento dos jovens brasileiros são hipertensos

Ao contrário do que muitos imaginam, não são só os mais velhos que sofrem com a hipertensão. Ainda que a doença seja ...

Novo estudo confirma os benefícios do abacate à saúde

Segundo estudo publicado no jornal Phytotherapy Research, o consumo de abacate ajuda a prevenir fatores de risco para...

Tomar café antes de tirar um cochilo pode te deixar duplamente mais produtivo

Um estudo da Universidade Laughborough, no Reino Unido, reuniu 12 voluntários que tinham dormido pouco nas noites ant...

Ter amizades verdadeiras é o segredo para viver mais

A conclusão partiu de um estudo que durou mais de sete décadas – sendo um dos acompanhamentos científicos mais durado...